BEM-VINDO VIAJANTE! O QUE BUSCA NO MULTIVERSO?

Tormenta - O Cenário de Fantasia mais amado do brasil


A Deusa da Humanidade foi transformada em uma estátua gigantesca. Uma cidadela voadora que singra o continente, carregando mercadorias, intrigas e magia.  Uma nação de cavaleiros, onde a honra é mais forte que o aço, mas a traição se esconde nos salões palacianos. Uma nação de minotauros se torna um império pregando a lei do mais forte. A Aliança Negra dos Goblinóides avança implacável sobre o Reinado.
Este é o mundo de Arton. Um mundo de maravilhas… E perigos. A Aliança Negra dos goblinoides. Os sacerdotes de Sszzaas, o Deus da Traição. Os cruéis finntroll. E, pairando sobre todos, a Tormenta, a tempestade de sangue que até mesmo os deuses temem. Arton é um mundo que precisa desesperadamente de heróis.
Você aceita ser um deles?
De nada adianta falar tanto sobre RPG, ou mesmo apresentar os mais recentes lançamentos que envolvem-no, sem antes apresentar devidamente aquele que é, com certeza, o mais bem sucedido cenário de fantasia do país. Sim, é preciso deixar desde o inicio bem claro que Tormenta abarca muito mais do que produtos ligado ao RPG: temos mangás, romances, contos, livro-jogo, game. Mas ainda não é hora de falar sobre eles, cada um terá o seu momento nesse que será o mês dedicado ao cenário...
A fagulha inicial dessa história surgiu no ano de 1998, na extinta revista Dragão Brasil, quando foi publicada pela primeira vez a aventura Holy Avenger (que mais tarde deu origem ao premiado quadrinho homônimo de Marcelo Cassaro e Erica Awano). Na iminência da edição de número 50 da revista, uma reunião editorial foi feita, tendo em vista um projeto para a comemoração da marca alcançada.
Eis então que em Maio de 1999 a edição comemorativa da Dragão Brasil trazia uma revista extra, com 80 páginas e regras para três sistemas diferentes (GURPS, AD&D e 3D&T), apresentando a seus leitores um novo mundo de aventuras. Claro, muitos dos elementos já haviam sido apresentados separadamente, mas os autores tiveram a ideia de integrar personagens, localidades e outros elementos de artigos anteriores para formar um novo cenário de campanha, totalmente original e nacional. O grande diferencial é que agora existia também o mal que dava nome ao cenário: a Tormenta. Uma chuva vermelha e ácida, de origem desconhecida, que trazia consigo demônios que aumentavam ainda mais a destruição por onde passava no mundo de Arton. Desde aquele momento ficou-se definido que aquele era um mundo de problemas e heróis eram necessários.
As revistas esgotaram das bancas rapidamente devido a grande procura e logo os leitores quiseram mais informações. Foi então que surgiu O Panteão, um suplemento multissistema dedicado aos 20 deuses do mundo de Arton e seus principais asseclas. O sucesso do cenário se refletiu nas edições seguintes da revista que passaram a ter, sempre que possível, novidades sobre o cenário. Mais matérias eram feitas especificamente para o cenário. Embora diversos leitores reclamassem pelo excesso de matérias sobre o mesmo, maior era a quantidade de leitores que pediam mais informações sobre ele.
Atendendo a demanda o Trio Tormenta, como ficaram conhecidos - Marcelo Cassaro, J.M. Trevisan e Rogério Saladino - criaram uma revista unicamente voltada para o cenário: a Revista Tormenta.
A publicação durou apenas 17 números, mas trouxe conteúdos fundamentais para a expansão do cenário e talvez a matéria mais importante tenha sido a que - em duas partes - apresentou mais sobre os reinos que compunham a parte civilizada do continente Artoniano conhecida como O Reinado. A matéria mais tarde foi então expandida dando origem a três livros extremamente descritivos sobre os 27 reinos do Reinado, suas capitais e principais cidades, comércio, costumes, geografia, personalidades e pontos de destaque. Conteúdo  mais que bem vindo para mestre e jogadores amantes do cenário.
Existia também outro produto que tornava o cenário interessante: a série em quadrinhos Holy Avenger, ambientada em Tormenta. Não entraremos em detalhes sobre ela aqui pois teremos uma postagem especial sobre ela mais à frente, mas podemos dizer com certeza que ter um universo integrado entre diferentes produtos acrescentava mais complexidade ao cenário.
Tormenta seguiu evoluindo e ganhando novos produtos durante os anos, foram vários os títulos e adaptações oficias para diferentes sistemas, e muitas não oficias. Os fãs cativos estavam - e ainda estão - sempre produzindo, participando e contribuindo para o crescimento do cenário. Não a toa muitos desses fãs acabaram se tornado colaboradores oficias e autores de novos livros. 
Um dos fatores que ajudaram a alavancar ainda mais a ascensão foi a versão do Tormenta para D20 System, lançada em 2003, usando o sistema de regras mais famoso do mundo. Tormenta acabou se tornando um jogo completo e, desde 2005, passou a ser publicado pela Jambô Editora. 
Desse relacionamento só vieram coisas boas, a começar pela Trilogia da Tormenta, série de romances escrita pelo autor Leonel Caldela que finalmente contou a origem da tempestade rubra que atormentava Arton com seus demônios. Mais não foi apenas isso, Tormenta passou a receber atenção constante com atualizações e complementos regulares que acrescentaram mais vida ao cenário, além de quadrinhos como Ledd, 20 Deuses, Khalifor, Dungeon Crawlers, Holy Avenger e também as recentes inciativas no mundo dos games e livros-jogos.
Como cenário de RPG, Tormenta evoluiu mais uma vez quando em 2010 foi lançado seu sistema próprio, escrito a seis mãos por Cassaro, Saladino e Trevisan e Guilherme Del Svaldi, Gustavo Brauner, Leonel Caldela. O RPG trazia as regras elaboradas partir do D&D 3ª edição, com influências da adaptação de Star Wars e de Pathfinder. A primeira tiragem do livro foi lançada em 2010 e esgotou em 2012. E finalmente, em 2013, a Jambô Editora lançou a edição revisada de Tormenta RPG


Atualização! - Maio de 2019


Desde quando escrevi essa postagem originalmente em Novembro de 2015, Tormenta já se espalhou e expandiu bastante. Tivemos uma segunda antologia Crônicas da Tormenta e dois novos romances foram publicados (A Joia da Almade Karen Soarele, e A Flecha de Fogo, de Leonel Caldela); novos suplementos levaram os jogadores para além de Arton Norte (Reinos de Moreania, Império de Jade e Mundo dos Deuses); os jogadores de 3D&T finalmente tiveram de volta um suporte oficial com a nova linha Tormenta Alpha, trazendo os prometidos Manual dos Monstros e Manual da Magia; e na Guilda do Macaco os principais autores se juntaram para transmitir via stream a sua campanha oficial cujos resultados afetariam diretamente o cânone do cenário.
Certamente é bastante coisa, mas algo ainda maior estava por vir.
Para celebrar o 20º aniversário, os criadores decidiram publicar uma nova versão do jogo, intitulada Tormenta 20. Uma edição de luxo, com capa dura, papel de alta qualidade, inteiramente colorido, com textos e artes inéditas, viabilizada por financiamento coletivo no Catarse.
A nova edição trará regras modernizadas e mais dinâmicas, descrição atualizada do cenário e uma nova abordagem para criação de personagens, aventuras e campanhas, que visam facilitar a entrada de novas pessoas no hobby e ao mesmo tempo uma grande celebração para os fãs de Tormenta. Tormenta 20 renova o jogo e se mantém compatível com todo o material lançado anteriormente sob o selo Tormenta RPG.
Mas porquê o mais bem sucedido cenário de fantasia do país precisaria de um financiamento coletivo? Segundo os criadores, “Tormenta 20 está sendo criado com base em vinte anos de feedback do público, e a campanha tem como objetivo reunir os amantes do RPG em uma grande celebração.” E parece que isso deu muito certo, pois o público apaixonado fez questão de comparecer e aproveitar a oportunidade de opinar, receber material para playtest e deixar seu nome na edição. Pessoas que estavam há anos afastados do RPG, retornaram para celebrar os 20 anos de Tormenta.
O financiamento coletivo está sendo realizado através da plataforma do Catarse desde o dia 10 de maio, e já quebrou vários recordes e arrecadou mais de 650 mil reais até o momento, a cada meta, recebendo melhorias e benefícios para todos os apoiadores e rumando para se tornar um dos maiores sucessos em financiamentos coletivos do país.
Mais do que nunca, Tormenta alcançou proporções inimagináveis e ocupa hoje - indiscutivelmente - o posto de cenário de fantasia mais amado do Brasil. É claro, mais novidades virão, pois assim como os problemas enfrentados pelos aventureiros artonianos a diversão nunca acaba...

Multiverso X.:43 - Um Bate-Papo Atormentado



Reproduzir Em Uma Nova Aba - Faça o Download - Arquivo Zip
 
O maior cenário de fantasia do Brasil completa 20 anos e, obviamente, não poderíamos ficar de fora. Recebemos os Goblins de Valkaria, Alvaro Freitas, autor de Mundo dos Deuses, Império de Jade e Reinos de Moreania, e Marlon Teske, autor de Tormenta Alpha, Manual dos Monstros e Manual da Magia, para um papo descontraído sobre os 20 anos do cenário, as linhas de produtos e a importância de Tormenta em nossas vidas.
Ouça e saiba mais sobre o que é Tormenta; entenda porque é o maior cenário de fantasia do país (apesar dos críticos); conheça as várias facetas do mundo de Arton; descubra quem é mais fanboy, o Capitão Ace Barros ou Airechu; desfrute de boas indicações de leitura e diversão!
Acompanhe-nos, estimado explorador de universos!

DURAÇÃO: 1 hora 26 Minutos 18 Segundos

ABORDADOS NO CAST:

A Campanha de Financiamento do Tormenta 20: Site Oficial - O Catarse
O Retorno da Revista Dragão Brasil: Site da Campanha
A Joia da Alma: 
Indicação no Multiverso X.: 35 - Boteco dos Versados.: 14 
SKOOB - COMPRE

Ledd:
Resenha no Multivero X  
SKOOB - Vol. 1 - Vol. 2 - Vol. 3 - Vol. 4 - Vol. 5
COMPRE 
Vol. 1 - Vol. 2 - Vol. 3 - Vol. 4 - Vol. 5
A Flecha de Fogo:
Resenha do Multiverso X - Indicação no Multiverso X.: 38

SKOOB - COMPRE
Holy Avenger:
Resenha no Multivero X  
SKOOB - Vol. 1 - Vol. 2 - Vol. 3 - Vol. 4
COMPRE 
Vol. 1 - Vol. 2 - Vol. 3 - Vol. 4
D Bride - A Noiva do Dragão: 
SKOOB - COMPRE
Reinos de Moreania:SKOOB - COMPRE
Império de Jade:
SKOOB - COMPRE
A Linha Tormenta Alpha:

Manual 3&T Alpha - SKOOB - COMPRE - DIGITAL GRATUITO
Tormenta Alpha - 
SKOOB - COMPRE
Manual dos Monstros - 
SKOOB - COMPRE
Manual da Magia
 - COMPRE
Os Livros-Jogos de Tormenta:
Ataque a Khalifor - SKOOB - COMPRE - Resenha no Multiverso X
O Senhor das Sombras - 
SKOOB - COMPRE
O Labirinto de Tapista - SKOOB - COMPRE

OS NOSSOS CONVIDADOS:

A Jambô Editora: Siga no Twitter - Acompanhe no Facebook - Site - Fórum - Grupo Oficial

Alvaro Freitas: Siga no Twitter
Marlon Teske: Siga no Twitter
Leia também do autor: O Enigma das Arcas - O Labirinto de Kadresh

A TRIPULAÇÃO NAS REDES:

Twitter: @MultiversoX @CapAceBarros - @_Airechu - @JulioBarcellos - @sih_souz - @camiaetria
Instagram: @multiversox - @_airechu @juliobarcellos @id_diogo - @castelodecartas
Facebook: Multiverso X

PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO TELEGRAM: bit.ly/MXTelegram

QUER O FEED PARA ADICIONAR NO SEU AGREGADOR FAVORITO?

Assine o nosso feed: feeds.feedburner.com/multiversox/podcast

SUGESTÕES, CRÍTICAS E DÚVIDAS:

Envie e-mails para: contato@multiversox.com.br


Em Financiamento : Mesa 44

Titulo: Mesa 44
Editora: AVEC
Autores: Rapha Pinheiro
Tipo: Quadrinhos


Desde Janeiro de 2018, Rapha Pinheiro frequenta o mesmo bar em Botafogo, zona sul do Rio, todos os sábados para desenhar a vida alheia. Depois de quase um ano e meio publicando os episódios online em e quase 60 histórias. Mesa 44 é um compilado de histórias curtas sobre causos de bar, com o diferencial de que foram desenhadas na mesa do próprio bar. O projeto finalmente vai virar um livro físico com a ajuda do Catarse, e já se encontra na reta final!
Esse quadrinhos inusitado é parte do projeto de Mestrado em Comunicação do autor, que visa estudar os desafios e peculiaridades de se desenhar uma história in loco. No início de 2020 será publicada a sua dissertação, estudando Mesa 44 por um viés de pesquisador acadêmico. O autor já falou diversas vezes sobre o processo de produção do projeto em seu canal no YouTube.
O livro terá formato A5 com capa cartão 250g/m² e miolo em papel offset 120g/m², todo em cores e com lombada quadrada. Dentro das 128, além de 58 histórias reais de bar, desenhadas no bar, teremos comentários do autor sobre o processo, artes extras e um prefácio do premiado Daniel Esteves.
Toda a campanha no Catarse é temática de bar, incluindo as formas possíveis de recompensas. O projeto em financiamento coletivo está com o apoio padrão (aquele que possui o livro físico) custando R$ 35,00 com frete grátis para todo o Brasil!

Para quem não conhece, o funcionamento de um financiamento coletivo é simples: os objetivos são esclarecidos na página da campanha e as recompensas são apresentadas, o apoiador escolhe entre as possibilidades com quanto irá contribuir já sabendo qual será a sua recompensa. Quando a meta não é alcançada o dinheiro é devolvido, e em algumas campanhas quando o valor estipulado é ultrapassado metas extras bonificam aqueles que contribuíram (não necessariamente todos, isso varia de recompensa para recompensa e de campanha para campanha).
Para participar do financiamento de Mesa 44, basta escolher um dos pacotes de recompensas disponíveis, com valores entre R$10 e R$ 500, que dão direito a recompensas variadas como exemplar da obra, poster, porta-copos, sketchbook, adesivos e combos com outros quadrinhos do autor. Basta escolher o apoio que contemple aquilo que seja do seu interesse e caiba no seu bolso.
A campanha ficará disponível por mais 11 dias no Catarse (a contar de 24/05) e tem entrega de recompensas prevista para Outubro de 2019. Agora que você já está por dentro de tudo confira a página do projeto no Catarse (https://www.catarse.me/mesa44) e descubra mais informações: quais exatamente são as recompensas, detalhes sobre como seu dinheiro será investido, artes etc.
Puxe uma cadeira, pegue o seu copo, apoie, divulgue, e ajude a Mesa 44 a alcançar o seu objetivo!


Financiamento Coletivo: Noir Carnavalesco

Titulo: Noir Carnavalesco
Editora: Pyro
Autores: Ian Frase
Tipo: Literatura 


Os seres folclóricos estão entre nós, cada vez mais vivos e mais presentes. No caso de Noir Carnavalesco até de forma literal. O novo romance de Ian Fraser, traz seres fantásticos que passam a conviver conosco e se adaptar ao mundo, e nenhum momento e lugar melhor pra fantasia e realidade se misturarem que o carnaval da Bahia.
Você pode ainda não conhecer o autor, mas não falta reconhecimento ao trabalho deste conterrâneo. Nascido em Salvador, Bahia, Ian Fraser é formado em Cinema & Vídeo e fundador do canal Teclado Disléxico no youtube. Seu primeiro romance, O Sangue É Agreste, venceu o Prêmio Jovem Autor Inédito pelo Selo João Ubaldo Ribeiro, criado pela Prefeitura de Salvador. Ian Fraser também escreveu e produziu a peça “A Máquina Que Dobra o Nada”, sucesso de crítica e vencedor do Prêmio Braskem de Teatro, a maior premiação do teatro baiano, na categoria Melhor Espetáculo Infantojuvenil. Por fim, teve duas campanhas muito bem sucedidas durante o financiamento dos primeiros volume da série Araruama.
A gente já produziu uma resenha sobre um outro romance do autor, Araruama - O Livro das Sementes, e também comentamos sobre ele no episódio de Melhores Leituras de 2018 do podcast do Multiverso X, e podemos atestar a qualidade (não que precise).
Mas e Noir Carnavalesco?
Depois que o tecido da realidade se dissipou, abrindo uma brecha para um mundo oculto, os seres folclóricos, antes tidos como apenas lendas, se mostram ser bem reais. Eles estão aqui, entre nós. Curupira motorista de UBER, barba-ruiva sendo eleito deputado estadual, pisadeira massagista e um boto metido a detetive particular: esse é o fantástico mundo novo apresentado em Noir Carnavalesco.
No centro da trama está Bartolomeu Osório, um típico malandro baiano (apesar de não ser da Bahia), que aceita investigar o sumiço de uma adolescente chamada Verônica Marte. Ele logo descobre que o caso é bem mais complicado do que ele imaginava.E, para piorar tudo, a cidade está borbulhando com a promessa da maior festa popular do planeta.
Noir Carnavalesco vai ter todo o acabamento primoroso da Pyro Editora. O livro vai ser capa dura e terá uma diagramação especial, particular à narrativa da obra, que ainda conta com as ilustrações de Will Chamorro e Guilherme Motta.
Porém, para esse livro acontecer, precisa do seu apoio.
Para quem não conhece, o funcionamento de um financiamento coletivo é simples: os objetivos são esclarecidos na página da campanha e as recompensas são apresentadas, o apoiador escolhe entre as possibilidades com quanto irá contribuir já sabendo qual será a sua recompensa. Quando a meta não é alcançada o dinheiro é devolvido, e em algumas campanhas quando o valor estipulado é ultrapassado metas extras bonificam aqueles que contribuíram (não necessariamente todos, isso varia de recompensa para recompensa e de campanha para campanha).
Para participar do financiamento de Noir Carnavalesco, basta escolher um dos pacotes de recompensas disponíveis, com valores entre R$15 e R$ 250, que dão direito a recompensas variadas como exemplar da obra, postais, porta-copos, aviso de porta, cartazes e combos com outros livros do autor. Basta escolher o apoio que contemple aquilo que seja do seu interesse e caiba no seu bolso.
A campanha ficará disponível por mais 50 dias no Catarse (a contar de 16/05) e tem entrega de recompensas prevista para Dezembro de 2019. Agora que você já está por dentro de tudo confira a página do projeto no Catarse (https://www.catarse.me/noircarnavalesco) e descubra mais informações: quais exatamente são as recompensas, detalhes sobre como seu dinheiro será investido, artes etc.

Para entrar de vez no clima, o Ian Fraser criou uma playlist da obra que já está disponível. Aperte AQUI para escutar no youtube, ou AQUI para escutar no Spotify.
Apoie, divulgue, e ajude a Noir Carnavalesco a alcançar o seu objetivo!

Space Dragon

Título: Space Dragon
Subtítulo: 
Um RPG de Aventuras Retrô no Espaço Sideral
Autor (a): Igor Moreno
Editora:  Redbox - RBX
Categoria: Sistema de RPG
Número de páginas: 250

Espaço, a fronteira final. Ou seria apenas o início?
A primeira edição do RPG Space Dragon foi um sucesso de vendas e logo se esgotou. O clima sci-fi retrô era um atrativo perfeito para quem buscava aventuras divertidas, sem compromisso com a realidade, com os mais maravilhosos clichês dos clássicos do cinema. É claro que, tal qual seu irmão mais velho, Space Dragon precisava retornar em grande estilo, atualizado e repaginado. O resultado disso foi uma belíssima nova edição, financiada em 2018, a qual tivemos acesso.
Para quem não conhece, Space Dragon é um sistema-irmão do Old Dragon, RPG Old School da  Redbox Editora, mas ao invés de focar em fantasia medieval, mergulha de cabeça no clima da ficção científica pulp com tudo o que temos direito. Aventureiros espaciais heroicos, psiônicos, robôs positrônicos e homenzinhos verdes disparando pistolas de energia e usando espadas de luz, enquanto exploram universos em seus foguetes em forma de charuto. Computadores? Apenas arcaicos e manuais. Wi-fi? Esqueça. Essa viagem a um futuro que mais parece o passado é, sem dúvida, o maior acerto do sistema.
Space Dragon não se preocupa nem um pouco em se manter próximo da ciência real e abraça sem medo os clichês dos clássicos como Buck Rogers, Flash Gordon, A Princesa de Marte, e diversas outras óperas espaciais retrô, mas não impede que com pouquíssimas modificações introduza elementos mais factíveis. E as vezes nem isso é necessário! Uma simples alteração na ambientação e narrativa pode resolver essa questão, caso seu interesse seja algo um pouco mais moderno, mas sem perder a simplicidade do sistema.
Por se tratar de um sistema com um pé no Old School, onde as situações são mais abstratas e abertas, se importando mais com a narrativa e a construção da história do que as regras e personagens, Space Dragon oferece uma abertura para que as mais estranhas e divertidas aventuras sejam possíveis. Cowboys do espaço? Guerras nas estrelas? Invasões reptilianas? Uma frota estelar indo onde nenhum homem jamais esteve? Tudo é possível. 



A estrutura do livro, a cada capítulo apresentado apenas o necessário para que seu leitor, facilita a absorção do conteúdo:
- A Introdução que nos apresenta o que é a ficção pulp e como o pulp é tratado no Space Dragon.
O capítulo Atributos apresenta a descrição completa dos atributos, bem como suas respectivas aplicações em jogo.
- Espécies apresenta as três raças disponíveis para os jogadores, os Humanos (Homo Sapiens), Androides (Homo Machina) e Mutantes (Homo Novus), com todos os detalhes e a descrição de cada uma delas.
- Em Classes, obviamente somos apresentados as quatro classes básicas do sistema, o Cientista, o Cosmonauta, o Gatuno, e o Mentálico, e suas especializações que permitem uma maior variedade de personagens e gama de habilidades.
- O capítulo Subatributos apresenta detalhes de regras complementares a construção do personagem e situações básicas de jogo como o cálculo de pontos de Vida, Jogadas de Proteção e Idiomas.
Crédito e Equipamentos é autodescritiívo, aqui se encontram informações sobre os Créditos Espaciais (a moeda corrente), equipamentos e serviços disponíveis para os personagens.
-  Após, vem a parte de Aventuras Espaciais e regras para viagens e exploração em detalhes, desde funções da tripulação e contatos com novas espécies alienígenas, até as intempéries do espaço e planetas hostis (tá achando que dá pra se respirar em qualquer lugar só porque é fantasia?). Esse acaba sendo um dos capítulos mais importantes para jogadores e mestres entenderem o clima do jogo e o que esperar.
- No capítulo Combate e Danos, o livro trata de cada ponto do combate, desde os princípios básicos até a finalização do mesmo, e traz também outras formas de morrer que não lutando (cuidado com o vácuo).
Aparatos Tecnológicos e Feitos Científicos, traz regras para usar, criar e consertar os aparatos tecnológicos do jogo e sua relação com a classe Cientista.
- Em Poderes Mentais, o leitor é apresentado às regras dos poderes dos Mentálicos, do funcionamento até a lista de poderes.
Espaçonaves e Estações é outro capítulo importantíssimo para a ambientação. Afinal aventuras no espaço sem espaçonaves? Aqui as regras sobre o uso e criação de naves é esmiuçada, passando por equipamentos, áreas e, é claro, batalhas espaciais.
- Por último, o capítulo Sessão do Mestre, foca em auxiliar o mestre a entender como conduzir aventuras de ficção científica pulp, e apresentar ferramentas para o andamento da narrativa, como regras para a construção de planetas de forma completa (com clima, atmosfera, gravidade, fauna, flora, nível tecnológico e sociedade), além de uma lista de alienígenas e outros inimigos.
Embora hajam alguns entraves quantos às regras e terminologias, e alguma decisões de game design que não me agradam tanto, essa barreira é facilmente transposta através do texto bem elaborado e bem humorado, exemplos claros e o avançar da leitura. As regras mais avançadas aparecem junto com o desenvolvimento dos jogadores e personagens, com o passar dos níveis, dando tempo para que mestre e jogadores se acostumem com as elas. Isso torna Space Dragon um material bastante amigável para iniciantes, mas deixe espaço para que as coisas se tornem mais complexas e diversas, agradando também jogadores mais experientes.
Uma das grandes vantagens do sistema é a sua compatibilidade com o seu jogo-irmão, permitindo que com leves alterações, jogadores e mestres tenham acesso a uma gama ainda maior de possibilidades. Isso faz com que Space Dragon se aproveite da diversidade de títulos já lançados, disponíveis com custo baixo (principalmente as versões digitais), quando não gratuito (como é o caso do próprio Old Dragon: Manual Básico). 
Space Dragon retorna para marcar o seu lugar como uma opção simples, acessível e de fácil customização para que veteranos e novos jogadores explorem ao máximo as loucas possibilidades da ficção científica pulp em sua mesa de jogo. Assim como Old Dragon, Space Dragon possui uma grande comunidade ativa onde você pode sanar suas dúvidas, compartilhar suas histórias, colaborar com materiais para uso em aventuras com outros jogadores e com os próprios criadores e colaboradores do jogo. Com certeza vale a pena conferir!

Cyberpunk — Registros Recuperados de Futuros Proibidos



Em sua segunda campanha no Catarse, Editora Draco revela um futuro dominado por megacorporações, implantes cibernéticos e muita desigualdade social
A Editora Draco acaba de lançar uma campanha de financiamento coletivo no Catarse para a coletânea “Cyberpunk - Registros Recuperados de Futuros Proibidos”. O livro reúne onze contos que transitam entre o retrô e o pós-cyber. Cada história mostra o quanto o gênero pulsa mais vivo do que nunca com transplantes, clonagens e uploads de memórias. Este também é o último volume da coleção de antologias "Mundo Punk", formada por “Vaporpunk I e II”, “Dieselpunk” e “Solarpunk”.
Cirilo S. Lemos e Erick Santos Cardoso são os organizadores do projeto. A dupla selecionou as onze histórias que compõem a obra:

   - A lua é uma flor sem pétalas redux, de Cirilo S. Lemos 
   - Caos tranquilo, de Ricardo Santos 
   - A gota d’água, de Daniel Grimoni 
  - Folhas no terraço, de Michel Peres 
  - Boca Maldita, de Claudia Dugim 
  - Cyberfunk, de Carlos Contente e Rodrigo Silva do Ó 
  - Próximo nível, de Marcelo A. Galvão
  - Sonho de Menino, de Marcel Breton 
  - Recall, de Karen Alvares 
  - Sonhos wifi, de Fábio Fernandes

A obra também conta com um prefácio de Fábio Fernandes (“Os Dias da Peste”), um dos principais nomes da ficção científica contemporânea e responsável pela tradução de “Neuromancer”, de William Gibson, a obra fundamental do cyberpunk. Fernandes também traduziu para o inglês a antologia “Solarpunk”, da Editora Draco, que foi publicada nos Estados Unidos pela World Weaver Press.
Nascido na efervescência neon, eletrônica e glam dos anos 1980, o subgênero cyberpunk surge na literatura e expande sua influência ao infectar o cinema, a música, os games, as HQs e a moda. Um espasmo de vigor e pessimismo que traz um futuro diferente do prometido pela ficção científica em sua era dourada. Como um profeta apocalíptico, o cyberpunk anuncia que o high tech, low life será a tônica do nosso tecido social!
Cyberpunk — Registros Recuperados de Futuros Proibidos terá 284 páginas no formato 14 x 21 cm, com papel pólen bold e capa em papel cartão de boa gramatura e com orelhas.


Para quem não conhece o funcionamento de um financiamento coletivo, é simples: os objetivos são esclarecidos na página da campanha e as recompensas são apresentadas, o apoiador escolhe entre as possibilidades com quanto irá contribuir já sabendo qual será a sua recompensa. Quando a meta não é alcançada o dinheiro é devolvido, e em algumas campanhas quando o valor estipulado é ultrapassado metas extras bonificam aqueles que contribuíram. Neste caso, por se tratar de um campanha flexível, todo valor arrecadado garante uma recompensa, independente da meta estipulada ser superada.
Na plataforma de financiamento estão disponíveis vários níveis de apoio, com valores entre R$ 35 e R$ 300, que dão direito a recompensas variadas como edição do Ciberpunk, combinações com demais volumes temáticos, marcador, cartão postal e descontos na loja da editora. Basta escolher o apoio que contemple aquilo que seja do seu interesse.
A campanha ficará disponível por mais 20 dias no Catarse (a contar de 09/05) e tem entrega de recompensas prevista para Agosto o de 2019. Agora que você já está por dentro de tudo confira a página do projeto no Catarse (https://www.catarse.me/cyberpunkdraco) e descubra mais informações sobre o livro: quais exatamente são as recompensas, detalhes sobre como seu dinheiro será investido, artes, etc.

Está na hora de Tormenta 20



Nunca, em nenhuma situação, achei que chegaria o momento em que tal qual um Tiozão estaria eu pensando: "Vinte anos, hein! Vi Tormenta ainda tão pequeno (tanto eu, quanto ele), brinde na revista Dragão Brasil, ganhando suplementos, saindo em vários sistemas até chegar na Jambô, e agora vai ganhar uma nova versão. O menino Tormenta ainda vai muito longe, dá gosto acompanhar desde o início".
São anos e anos acompanhando o crescimento de Tormenta, como jogador, como leitor dos romances e das HQs, como produtor de conteúdo, resenhando e divulgando cada vez mais e com mais gosto pelo que vem sendo produzido. Mais do que um lançamento, Tormenta 20 chega como uma celebração aberta a todos que já se envolveram e vão se envolver com o mais amado cenário de fantasia do Brasil!
Você não entendeu nada ainda não é? Tudo bem, vamos lá!

Criado em 1999, Tormenta surgiu como um cenário para jogos de RPG. Desde então, cresceu e recebeu novas publicações, como romances e quadrinhos. Nesses vinte anos, nunca deixou de ser publicado e veio a se tornar o maior universo de fantasia do país, com dezenas de milhares de fãs.
Originalmente, o cenário de Tormenta foi a público como um encarte de 80 páginas na revista Dragão Brasil número 50. Lançado no VII Encontro Internacional de RPG, o conjunto de revista e encarte foi a publicação mais vendida do evento, tendo esgotado seus 500 exemplares muito antes do evento terminar.
Naquela época, no entanto, os meios de produção gráfica disponíveis eram um pouco limitados. Nos vinte anos que se seguiram, houve uma evolução tanto no conteúdo do livro — seus textos, regras e ilustrações — como também na qualidade dos materiais. Para celebrar o 20º aniversário, os criadores decidiram publicar uma nova versão do jogo, intitulada Tormenta 20. O livro novo será feito em edição de luxo, com capa dura, papel de alta qualidade, inteiramente colorido, e conterá textos e artes inéditas.
A nova edição conterá regras modernizadas e mais dinâmicas, descrição atualizada do cenário e uma nova abordagem para criação de personagens, aventuras e campanhas, que visam facilitar a entrada de novas pessoas no hobby e ao mesmo tempo uma grande celebração para os fãs de Tormenta. Tormenta 20 renova o jogo e se mantém compatível com todo o material lançado anteriormente sob o selo Tormenta RPG.
Essa nova versão será viabilizada por financiamento coletivo no Catarse, a partir de 10 de maio. Durante a campanha, os apoiadores poderão opinar em aspectos importantes do livro.

O financiamento coletivo está sendo realizado através da plataforma do Catarse desde o dia 10 de maio, e pode ser acessado a partir do endereço www.Tormenta20.com.br, uma página com informações prévias sobre a campanha.
Assim que o financiamento coletivo começar, os apoiadores poderão escolher entre as opções de recompensas, que incluem a versão física do livro, a versão digital e diversos brindes comemorativos, sendo que alguns serão exclusivos para apoiadores da campanha.
Além disso, os apoiadores terão seus nomes impressos no livro e poderão opinar em quais raças jogáveis entrarão presentes no manual, ou até receber material para playtest. Segundo os criadores, “Tormenta 20 está sendo criado com base em vinte anos de feedback do público, e a campanha tem como objetivo reunir os amantes do RPG em uma grande celebração.”
Nas redes sociais, os fãs utilizam a hashtag #Tormenta20 para compartilharem suas fotos e histórias envolvendo o RPG.


Cultos Inomináveis, o novo RPG da Redbox

As obras de Howard Phillips Lovecraf desde sempre inspiram outros autores, roteiristas, quadrinistas e criadores de todo o mundo. Responsável pelo que posteriormente chamada de Mitos de Cthulhu, o próprio autor incentivava  o uso de suas criaturas e idéias a fim de expandir a mitologia criada por ele, repleta de criaturas ancestrais incompreensíveis, segredos terríveis e a insignificância humana perante o horror cósmico. Dificilmente você terá escapado incólume de uma ou outra referência direta ou indireta na Cultura Pop. E é claro, os jogos não seriam uma exceção.
A Redbox anunciou a publicação de um dos jogos que tem conquistado a atenção do público nos últimos tempos: Cultos Inomináveis, da editora espanhola Nosolorol. Neste RPG baseado nas histórias de H.P. Lovecraft, temos uma nova abordagem, trazendo as tramas para a modernidade dos dias atuais e tecnologias, e colocando os jogadores em áreas cinzentas, se apropriando do oculto e dos poderes antigos, seja qual for o seu objetivo final. O papel do cultista não mais estará relegado ao antagonista, afinal, quando todos passam a se envolverem com as forças do desconhecido, o cultista se torna o centro da história. Esteja ele tentando impedir um apocalipse ou tentando detê-lo.
Interessante? Bastante! Ao colocar os jogadores para trilhar seu caminho em tons de cinza, há uma abertura para os mais interessantes personagens possíveis com suas motivações, moralidade e anseios sempre em teste. A modernização da ambientação também abre espaço para narrativas mais variadas, podendo ir de um culto religioso apocalíptico no interior dos EUA, até uma corporação que mistura genética e magia pra criar mercenários abomináveis pra serem vendidos a quem pagar mais. A própria Redbox em seu site e o pessoal da Confraria de Arton produziram artigos bem completos com mais detalhes sobre o livro, a ambientação, criação de personagem e muito mais que vale a pena conferir se ficou curioso (e eu recomendo que os leia).
O que podemos esperar de Cultos Inomináveis
A editora pretende lançar toda a linha no Brasil, com a mesma qualidade do jogo original. Fugindo um pouco do tradicional formato A5, serão 288 páginas de grande formato, capa dura e colorido em papel de alto padrão. Por sua temática, Cultos Inomináveis é um jogo voltado para o público adulto, com classificação indicativa de 18 anos, mas ainda ideal para iniciantes, conhecedores dos Mitos e exploradores curiosos.
Além do livro básico, a Redbox pretende alimentar o sistema com regularidade, incluindo a Divisória do Mestre de Jogo, Postnomicon (um compilado de aventuras) e Fundido en Blanco (um suplemento centrado em um dos cultos do cenário), além de todo o material gratuito e da campanha Hijos de Nyarlathotep.
Apesar de não haver ainda uma data para o lançamento ou início da pré-venda, a editora informou que a produção dos primeiros livros já se encontra em estágio avençado, de modo que os jogadores brasileiros não irão precisar aguardar muito tempo para por as mãos e seus olhos nas páginas de Cultos Inomináveis.
E então, preparado para mergulhar no horror em busca de seus objetivos?

Multiverso X.:42 - Amo ler, mas...



Reproduzir Em Uma Nova Aba - Faça o Download - Arquivo Zip
 
Quem nunca julgou o gosto literário alheio que atire a primeira pedra! Onde você vai com essa pedra? Eu sei que você já fez isso. Senta aqui, vamos conversar. Embarque na Interlúdio na companhia do Capitão Ace Barros, Airechu, Camila Loricchio e o piloto Julio Barcellos, para um papo catártico sobre preconceitos e outros entraves literários que não levam a lugar nenhum.
Ouça e saiba mais sobre os problemas de se apontar o dedo para o gosto alheio; entenda que não há problema não gostar de algo (mas em tentar impedir que gostem, tem sim); aprenda a respeitar o gosto alheio e também o seu gosto; descubra o que nos incomoda, quais nossos preconceitos a serem trabalhados e muito mais!
Acompanhe-nos, estimado explorador de universos!

DURAÇÃO: 1 hora 46 Minutos 08 Segundos

ENTRE TAMBÉM NA BRINCADEIRA E RESPONDA:

Amo ler, mas... odeio quando tem ?????? no meu livro.
Amo ler, mas... na verdade nunca li nada desse(a) popular autor(a)
Amo ler, mas... tenho preconceito com tal gênero/produto literário
Amo ler mas... nunca terminei tal livro
Amo ler mas... prefiro o filme

SITE & LIVROS DA CAMILA
Castelo de Cartas: Site - Livros: Trilogia Castelo de Cartas

A TRIPULAÇÃO NAS REDES:

Twitter: @MultiversoX @CapAceBarros - @_Airechu - @JulioBarcellos - @sih_souz - @camiaetria
Instagram: @multiversox - @_airechu @juliobarcellos @id_diogo - @castelodecartas
Facebook: Multiverso X

PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO TELEGRAM: bit.ly/MXTelegram

QUER O FEED PARA ADICIONAR NO SEU AGREGADOR FAVORITO?

Assine o nosso feed: feeds.feedburner.com/multiversox/podcast

SUGESTÕES, CRÍTICAS E DÚVIDAS:

Envie e-mails para: contato@multiversox.com.br