BEM-VINDO VIAJANTE! O QUE BUSCA NO MULTIVERSO?

Tormenta - O Cenário de Fantasia mais amado do brasil

De nada adianta falar tanto sobre RPG, ou mesmo apresentar os mais recentes lançamentos que envolvem-no, sem antes apresentar devidamente aquele que é , com certeza, o mais bem sucedido cenário de fantasia do país. Sim, é preciso deixar desde o inicio bem claro que Tormenta abarca muito mais do que produtos ligado ao RPG: temos mangás, romances, contos, livro-jogo, game. Mas ainda não é hora de falar sobre eles, cada um terá o seu momento nesse que será o mês dedicado ao cenário...

A Deusa da Humanidade foi transformada em uma estátua gigantesca. Uma cidadela voadora que singra o continente, carregando mercadorias, intrigas e magia.  Uma nação de cavaleiros, onde a honra é mais forte que o aço, mas a traição se esconde nos salões palacianos. Uma nação de minotauros se torna um império pregando a lei do mais forte. A Aliança Negra dos Goblinóides avança implacável sobre o Reinado.
Este é o mundo de Arton. Um mundo de maravilhas… E perigos. A Aliança Negra dos goblinoides. Os sacerdotes de Sszzaas, o Deus da Traição. Os cruéis finntroll. E, pairando sobre todos, a Tormenta, a tempestade de sangue que até mesmo os deuses temem. Arton é um mundo que precisa desesperadamente de heróis.
Você aceita ser um deles?
A fagulha inicial dessa história surgiu no ano de 1998, na extinta revista Dragão Brasil, quando foi publicada pela primeira vez a aventura Holy Avenger (que mais tarde deu origem ao premiado quadrinho homônimo de Marcelo Cassaro e Erica Awano). Na iminência da edição de número 50 da revista, uma reunião editorial foi feita, tendo em vista um projeto para a comemoração da marca alcançada.
Eis então que em Maio de 1999 a edição comemorativa da Dragão Brasil trazia uma revista extra, com 80 páginas e regras para três sistemas diferentes (GURPS, AD&D e 3D&T), apresentando a seus leitores um novo mundo de aventuras. Claro, muitos dos elementos já haviam sido apresentados separadamente, mas os autores tiveram a ideia de integrar personagens, localidades e outros elementos de artigos anteriores para formar um novo cenário de campanha, totalmente original e nacional. O grande diferencial é que agora existia também o mal que dava nome ao cenário: a Tormenta. Uma chuva vermelha e ácida, de origem desconhecida, que trazia consigo demônios que aumentavam ainda mais a destruição por onde passava no mundo de Arton. Desde aquele momento ficou-se definido que aquele era um mundo de problemas e heróis eram necessários.
As revistas esgotaram das bancas rapidamente devido a grande procura e logo os leitores quiseram mais informações. Foi então que surgiu O Panteão, um suplemento multissistema dedicado aos 20 deuses do mundo de Arton e seus principais asseclas. O sucesso do cenário se refletiu nas edições seguintes da revista que passaram a ter, sempre possível, novidades sobre o cenário. Mais matérias eram feitas especificamente para o cenário. Embora diversos leitores reclamavam pelo excesso de matérias sobre o mesmo, maior era a quantidade de leitores que pediam mais informações sobre ele.
Atendendo a demanda o Trio Tormenta, como ficaram conhecidos - Marcelo Cassaro, J.M. Trevisan e Rogério Saladino - criaram uma revista unicamente voltada para o cenário: a Revista Tormenta.
A publicação durou apenas 17 números, mas trouxe conteúdos fundamentais para a expansão do cenário e talvez a matéria mais importante tenha sido a que - em duas partes - apresentou mais sobre os reinos que compunham a parte civilizada do continente Artoniano conhecida como O Reinado. A matéria mais tarde foi então expandida dando origem a três livros extremamente descritivos sobre os 27 reinos do Reinado, suas capitais e principais cidades, comércio, costumes, geografia, personalidades e pontos de destaque. Conteúdo  mais que bem vindo para mestre e jogadores amantes do cenário.
Existia também outro produto que tornava o cenário interessante: a série em quadrinhos Holy Avenger, ambientada em Tormenta. Não entraremos em detalhes sobre ela aqui pois teremos uma postagem especial sobre ela mais à frente, mas podemos dizer com certeza que ter um universo integrado entre diferentes produtos acrescentava mais complexidade ao cenário.
Tormenta seguiu evoluindo e ganhando novos produtos durante os anos, foram vários os títulos e adaptações oficias para diferentes sistemas, e muitas não oficias. Os fãs cativos estavam - e ainda estão - sempre produzindo, participando e contribuindo para o crescimento do cenário. Não a toa muitos desses fãs acabaram se tornado colaboradores oficias e autores de novos livros. 
Um dos fatores que ajudaram a alavancar ainda mais a ascensão foi a versão do Tormenta para D20 System,lançada em 2003, usando o sistema de regras mais famoso do mundo. Tormenta acabou se tornando um jogo completo e, desde 2005, passou a ser publicado pela Jambô Editora. 
Desse relacionamento só vieram coisas boas, a começar pela Trilogia da Tormenta, série de romances escrita pelo autor Leonel Caldela que finalmente contou a origem da tempestade rubra que atormentava Arton com seus demônios. Mais não foi apenas isso, Tormenta passou a receber atenção constante com atualizações e complementos regulares que acrescentaram mais vida ao cenário, além de quadrinhos Ledd, 20 Deuses, Khalifor, Dungeon Crawlers, Holy Avenger e também as recentes inciativas no mundo dos games e livros-jogos.
Como cenário de RPG, Tormenta evoluiu mais uma vez quando em 2010 foi lançado seu sistema próprio, escrito a seis mãos por Cassaro, Saladino e Trevisan e Guilherme Del Svaldi, Gustavo Brauner, Leonel Caldela. O RPG traz as regras elaboradas partir do D&D 3ª edição, com influências da adaptação de Star Wars e de Pathfinder. A primeira tiragem do livro foi lançada em 2010 e esgotou em 2012. E finalmente, em 2013, a Jambô Editora lançou a edição revisada de Tormenta RPG. 

Em pouco mais de 15 anos Tormenta alcançou grandes proporções e ocupa hoje - indiscutivelmente - o porto de cenário de fantasia mais amado do Brasil. E mais novidades estão por vir, pois assim como os problemas enfrentados pelos aventureiros artonianos a diversão nunca acaba. ;)