BEM-VINDO VIAJANTE! O QUE BUSCA NO MULTIVERSO?

Liga da Justiça



Impulsionado pela restauração de sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman, Bruce Wayne convoca sua nova aliada Diana Prince para o combate contra um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam com agilidade um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes, poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque.


Título: Liga da Justiça
Título Original: Justice League
Lançamento/Duração: 2017 - 2h
Gênero: Aventura/Ação/Sci-Fi
Direção: Zack Snyder
Roteiro: 
 Chris Terio e David S. Goyer
Elenco: Ben Affleck, Henry Cavil, Gal Gadot, Amy Adams, Diane Lane, Jeremy Irons, Ezra Miller, Jason Momoa e Ray Fisher


Finalmente chega aos cinemas o aguardado filme da Liga da Justiça, trazendo o mais icônico grupo de super-heróis dos quadrinhos - me desculpem Vingadores - finalmente reunido em tela. O sucesso de Mulher Maravilha e, para alguns, a presença de Joss Whedon, deram um novo vigor nas expectativas para o longa. A pergunta que retumbava entre os temerosos e os esperançosos era: será que o filme da Liga irá acertar e trazer um saldo positivo para o universo DC nos cinemas?
Se você precisa de uma resposta rápida, pouparei seu tempo. Liga da Justiça, mesmo que ainda com tropeços, repara as principais críticas a DC, é divertido, funciona e vai agradar maior parte do público. Pode comprar seu ingresso e assistir ao filme sem esse peso no coração.
Após os eventos de Batman vs Superman: A Origem da Justiça, que resultam com a morte do escoteiro azulado interpretado por Henry Cavil, a terra se vê em um momento de descrença e temor. A esperança parece ter deixado o mundo junto com o portador simbolo da casa de El e último filho de Kripton. 
Em meio a esse clima medo e angústia, surge um inimigo que parece se aproveitar dele e da falta de defensores na terra capaz de lidar com seus poderes além da imaginação. Seu plano é reunir as Caixas Maternas deixadas para trás em sua última tentativa de invasão para destruir o planeta. Cabe ao Batman, inspirado pelo ideal do Homem de Aço, reunir um grupo de meta-humanos para, quem sabe, evitar destruição da terra. E talvez, até mesmo eles precisem de ajuda de alguém mais forte, para deter o Lobo das Estepes.
Liga da Justiça nos é entregue como um bom filme de ação, e seu principal objetivo é atingido ao entreter o público com seus combates, sequências eletrizantes - embora boa parte já mostrada nos trailer - e muito bom humor. Contudo o filme tinha potencial para ser mais, e principalmente no último terço do filme. Apesar disso, não se engane, é muito mais provável que saia do filme querendo mais daqueles personagens - uns mais do que outros - do que simplesmente reclamando.
O roteiro do filme é bem simples e linear - o que não é novidade entre os filmes de super-heróis, seja Marvel ou DC - mas se mantém interessante durante todo o desenvolvimento. É claro, existem deslises e decisões questionáveis, mas esses acabam sobrepostos pelos acertos e pela diversão proporcionada pela superprodução. O vilão, o ritmo da etapa final e CGI talvez sejam os pontos que mais causem incomodo, mas é bom lembrar esses problemas existem também na concorrência tida como referência.  
O encontro do trabalho de Zack Snyder e Joss Whedon encontrou um ponto de equilíbrio (embora a balança penda mais pro Whedon). O filme abandona - mas não totalmente - o sombrio e tenta trazer leveza pra todos os personagens, inclusive pro Batman. Isso funciona melhor pra os personagens que entram nesse universo agora, mas pra quem mostrou outra coisa antes da aquela travada na descida (principalmente o indeciso Batman, ora sério ora muito jocoso). Porém no fim funciona e você anseia por mais dos personagens.
Por falar nos personagens, é possível dizer de forma rápida que o entrosamento entre eles, mesmo com a construção rápida, parece natural e é legal de ver em tela. A introdução dos novos personagens é feita de maneira fluida, sem perder tempo com arcos próprios, embora apresente ganchos e elementos para cada um deles. Ezra Miller, Jason Momoa e Ray Fisher, estão muito a vontade nos papeis de Flash, Aquaman e Ciborgue, conquistam o público facilmente e marcam o seu espaço, embora o Atlante seja o menos aproveitado entre eles. O Batman de Ben Affleck segue um herói duro, desgastado, mas agora tocado pelo simbolo e exemplo do Superman, também da princesa Amazona. A Mulher Maravilha da Gal Gadot é o elo forte da equipe e mais uma vez ganha um destaque especial merecido. O Superman de Henry Cavil segue sua jornada para ser o simbolo que é nos quadrinhos e se afastar da imagem de insensibilidade deixada por Men of Steel.
Apesar do já comentado CGI por vezes incomodo, a plástica visual do filme é bem construída  e bonita de se ver. A trilha de Danny Elfman é assertiva e totalmente completar a obra, indo além do uso de músicas famosas para compor um grande clipe de ação e fixando a marca sonora característica de seus personagens.
A soma dos pontos a meu ver é um resultado positivo e mostra que o Universo DC nos cinemas ainda tem muita coisa boa para mostrar. Como fã digo fiquei animado para ver como será o universo que vem por aí depois desse novo sopro de esperança. Vale a pena conferir e garantir algumas horas de entretenimento!


Contos do Cão Negro



Série: Contos do Cão Negro
Títulos: Vol. 1 - O Coração do Cão Negro e Vol. 2 - A Canção do Cão Negro.
Roteiro: César Alcázar
Arte: Fred Rubim
Editora: AVEC Editora
Número de páginas: 63

O Coração do Cão Negro: SKOOB - COMPARE E COMPRE - LOJA RECOMENDADA
A Canção do Cão Negro: SKOOB - COMPARE E COMPRE - LOJA RECOMENDADA

O que aconteceria se uma obra trouxesse o clima de aventura de Conan para o mundo que conhecemos com toques de ficção histórica? E se essa obra trouxesse não apenas a ação, mas o clima sobrenatural presente em algumas aventuras do cimério? E se por fim a arte da obra o remetesse a Hellboy, outro expoente dessa mistura? Você não precisa se esforçar para imaginar nada disso, pois pode encontrar isso e mais um pouco na série gráfica antológica Contos do Cão Negro, de César Alcázar e Fred Rubim que conta com dois volumes até o momento lançados pela Editora AVEC: O Coração do Cão Negro e A Canção do Cão Negro.
É impossível fugir do comparativo aos trabalhos de Robert E. Howard, H.P. Lovecraft e Mike Mignola. Digo isso não para apontar referências e semelhanças notáveis na obra, mas para garantir a paridade dos trabalhos. O clima pulp com direito a espada, mistério sobrenatural, pesquisa histórica e mitológica, é muito bem executado em uma narrativa gráfica onde cada detalhe em cada quadro complementa a história.
A  série conta a história de Anrath, um mercenário irlandês conhecido como Cão Negro de Clontarf, em suas várias aventuras na Irlanda do século XI, durante as várias tensões entre os nórdicos e gaélicos. Anrath, o mercenário conhecido como o Cão Negro de Clontarf, é um homem atormentado, nascido gaélico e criado entre os vikings. O destino fez com que ele se tornasse um renegado, um guerreiro condenado a vagar entre duas culturas como um pária sem pertencer a nenhuma.
No primeiro volume, O Coração do Cão Negro, o mercenário gaélico é contratado por um misterioso inglês para encontrar um antigo medalhão chamado Coração de Tadg, supostamente uma chave para tesouros e poderes ligados a deuses antigos. Com a missão cumprida, Anrath é envolvido contra sua vontade em uma trama de vingança e traição que o levará direto para as mãos de Ild Vuur, um líder viking ligado a seu passado, e o fará confrontar horrores além do espaço e do tempo.
A obra de clima sombrio que flerta com o horror, carregada na narrativa visual e nos diálogos curtos e diretos, nos introduz ao universo habitado pelo Cão Negro, suas regras e características; embora com boa base histórica e focado no herói humano, há mais coisas entre o céu e a terra do que julgam os mortais. Somos entregues a um protagonista formado e a uma história em movimento, sem interrupções na continuidade da obra para ambientar o leitor de forma clichê e por vezes preguiçosa. Seu passado nos é entregue em subtexto e nos enche de curiosidade com as incessantes lacunas que abrem espaço para novas possíveis narrativas. E é exatamente o que desejará o leitor após a conclusão da trama, que embora não seja necessariamente original, é envolvente e muito bem executada.
A Canção do Cão Negro, ambientada um ano após a batalha os acontecimentos do primeiro volume, nos traz Anrath agora como comandante de seu próprio navio, mas não por isso com uma vida confortável. Após uma missão na Islândia, o gaélico irá se deparar com um novo confronto com saqueadores vikings, reflexo direto de suas ações e sua má-fama. Contudo, em meio a uma sangrenta batalha, o Cão Negro irá se deparar com uma criatura mitológica sedutora e mortal, que lhe tará a promessa de aliviar o peso de uma vida, mas com um caro custo.
Enquanto o volume anterior nos apresenta o protagonista e seu universo de forma direta, o segundo pavimenta questões sobre passado, presente e futuro do personagem. Em uma trama de forte teor psicológico, embora a ação não deixe a dever em nada para o anterior, Alcazar expande a narrativa para somar mais peso ao personagem, principalmente através das relações. Isso sem abandonar a leitura subtextual, embora a obra mais direta que a anterior. Os principais atrativos da obra se mantém, e mais uma vez a narrativa envolvente te conduz ao desejo de continuidade.
O formato de conto gráfico favorece a criação de histórias tanto sobre o passado quanto o futuro do personagem sem necessidade de um continuísmo barato ou a obrigação de sequência de leitura. É claro que há um ganho em experiência ao consumir na ordem correta, mas uma das principais características do roteiro criado por Alcazar é ser fechado e contido em si apesar das lacunas propositais sobre o personagem. Aliás, o Cão Negro  nasceu em contos escritos por César Alcázar e publicados em diversas antologias tanto em território nacional quanto no exterior, além de um romance,  Fúria do Cão Negro, todos eles bastante elogiados pela crítica. 
Com um traço marcado, crú e simples, o trabalho de Fred Rubim para os Contos do Cão Negro é excepcional e traz aos contos uma boa dosagem do clima pulp e do quadrinho europeu. O resultado são suas graphic novels de altíssima qualidade, tanto no roteiro e arte, quanto no trabalho gráfico e editorial executado pela AVEC Editora.
A série Contos do Cão Negro é um prato cheio para aqueles que gostam aventuras de espada e feitiçaria dinâmicas e envolventes, com boas batalhas, e mistérios antigos. Mesmo que você não goste de HQs, essa obra tem tudo para te agradar.

A Cidade Solitária: Aventuras Na Arte De Estar Sozinho

Autora de Viagem ao redor da garrafa, uma minuciosa e sensível investigação sobre a relação de seis célebres escritores com a bebida, a britânica Olivia Laing se debruça agora sobre outro tema delicado, especialmente nesses tempos de “hiperconexão”.

Em A cidade solitária, a autora mescla uma pesquisa bem fundamentada sobre a solidão, suas causas, sentidos e efeitos, com impressões pessoais sobre o que significa estar sozinho, a partir de sua experiência ao se mudar para Nova York.

Solitária na grande metrópole, Laing passa a explorar a cidade por meio da arte, empreendendo um mergulho profundo em obras e vidas – do comovente Nightwalks, de Edward Hopper, às Cápsulas do Tempo de Andy Wharol, entre outras – para refletir sobre o quanto a solidão pode ser um fardo ou, no caso do artista, uma condição importante para o pleno desenvolvimento da criatividade.
Título: A Cidade Solitária: Aventuras Na Arte De Estar Sozinho
Título Original: Lonely City: Adventures in the Art of Being Alone
Autora: Olivia Laing
Tradução: Bruno Casotti
Editora: Anfiteatro / Rocco
Ano: 2017 / Páginas: 304


Tão sós! O que significa estar, ser e se sentir solitário vivendo numa das maiores megalópoles do mundo? Quando se viu neste estado abandonada em Nova York após o fim precoce de um relacionamento, a britânica Olivia Laing se pôs a investigar a solitude em suas mais diversas formas e fez dela o tema de A Cidade Solitária, seu terceiro e mais recente livro.
Olivia é crítica de arte e literatura e colunista de diversos jornais onde escreve essencialmente sobre cultura, arte, literatura e comportamento. Seus livros anteriores alcançaram enorme sucesso de público e crítica não apenas pela pertinência e grande apelo dos seus temas, mas também pela clareza e requinte de sua narrativa que combina autoficção mesclada à biografia de personagens reais.
Aqui, com uma sensibilidade enorme, mas sem recorrer à pieguice a autora nos leva em um passeio pela biografia e pelas obras de diversos artistas nova-iorquinos que assim como ela foram de algum modo afetados pela solitude em algum momento da vida. A autora faz uma metáfora entre Nova York e a solidão, a qual afirma ser também uma cidade populosa na qual milhões de solitários residem, uns por um tempo e outros por toda a vida. É para todos esses membros uns dos outros nesta enorme cidade solitária que ela dedica seu livro.
O primeiro artista comentado é Edward Hopper, famoso por suas telas realistas com cenas tipicamente urbanas e contemporâneas, com seus jogos de luz e sombra e seus personagens inquietos com o que quase sempre parece ser uma aflição com a melancolia e a solidão desoladora, um vazio imenso e uma ausência do outro salientada pelas barreiras do concreto, das janelas, paredes, do vidro e pelo próprio corpo. Hopper era tímido, introvertido e vivia um relacionamento problemático com a esposa e embora ele detestasse ter a solidão associada às suas obras é impossível enxergá-las e sentí-las doutra forma e talvez seja justamente esse imediato reconhecimento da solidão que torne Morning Sun, Automat, Nightwalks e tantas outras de suas telas tão populares e tão familiares.
No capítulo seguinte, “Meu coração se abre para sua voz”, Olivia foca em Andy Warhol, um dos ícones da pop art, das Latas de Sopa Campbell e das Marilyns, artista e também celebridade e uma vítima da própria fama. Andy era um homem extremamente tímido, com dificuldades de autoaceitação e de se relacionar com os outros, mesmo vivendo cercado de pessoas do circuito underground e da cena artística e intelectual de Nova York na Factory, seu famoso estúdio e ateliê. Olivia dedica um bom espaço para comentar sobre as entrevistas e gravações em áudio feitas por Warhol com um gravador, item que servia de intermediário entre o mundo e o verdadeiro Warhol e não a sua figura pública, alguém vulnerável, humano e intrinsecamente solitário.
A inusitada descoberta póstuma da obra de Henry Darger no prédio onde trabalhou como zelador em Chicago é o tema do capítulo “Os Reinos do Irreal”. Olivia busca remontar quem era tal homem e o que o motivou a retratar o que retratou em suas mais de trezentas telas e colagens e em seu monumental romance de mais de quinze mil páginas, nos levando fundo a um mundo de fantasia perturbador criado como uma contraparte para a solidão da realidade reclusa do artista. Suas telas incômodas e polêmicas reúnem elementos de contos de fadas, crianças em cenários coloridos e encantadores e num mesmo espaço cenas de tortura e de massacres em massa.
A cereja do bolo são os capítulos “Ao Amá-lo” e “No começo do fim do mundo” dedicados a David Wojnarowicz, um artista versátil, mas com um histórico deprimente por ter sido criado por uma família extremamente conservadora e incapaz de compreender a sua homossexualidade e que o submetia aos mais diversos abusos e violência na infância. Na adolescência e vivendo na mais completa miséria ele foi obrigado a se prostituir para sobreviver e contudo o que mais o fazia sofrer era a solidão extrema e para ela a saída que ele encontrou foi através da arte, a arte tornava sua dor tolerável e comunicável. Wojnarowicz foi uma das minhas maiores descobertas na leitura não apenas por suas séries fotográficas, com destaque para Rimbaud in New York, expressão da sua dor solitária e de liberdade, do saudosismo duma infância perdida e das possibilidades de conexão na grande cidade sobretudo entre as populações mais marginalizadas, mas por Wojnarowicz também liderar como ativista um grupo organizado de pessoas soropositivas no auge do preconceito e do mais completo descaso das autoridades americanas na década de 1980. Ele teve as cinzas espalhadas nos jardins da Casa Branca e em vida produziu telas, músicas, filmes, ensaios e críticas de arte, organizou exposições, instalações e performances deixando um extenso legado artístico.
Ao fim do livro, Olivia Laing aproveita para adentrar o mundo da superexposição e hiperconexão dos reality shows e da internet, espaços extremos onde tanto o anonimato quanto a total falta de privacidade nos prometem interação e conexão para além dos limites do público e do privado com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo, mas mesmo ali, a solidão está presente desencadeando efeitos que ainda não dominamos totalmente. Olivia ainda retorna a Warhol e Wojnarowicz ao falar de forma emocionada e catártica das Time Capsules e da instalação Strange Fruit (for David), ambas sobre vínculos tênues e sobre a efemeridade dos mesmos diante da passagem do tempo e da morte ao término do livro.
Publicado no Brasil com tradução de Bruno Casotti pela Anfiteatro, novo selo de não ficção com enfoque em ideias e debates da editora Rocco, A Cidade Solitária possui acabamento simples em brochura, com capa emborrachada. O livro possui uma linguagem acessível, não é um estudo acadêmico e se aproxima mais dum ensaio, os capítulos são curtos e as referências e notas do texto principal são deixadas para o final, creio que para não atrapalhar a fluidez da leitura. Curiosamente a autora é também personagem evitando a onisciência distante dum narrador em terceira pessoa, ela escreve com a proximidade da primeira, dialogando diretamente com o leitor, sem filtros. Seu livro é como uma reportagem extensa, poética e com uma dose maior de subjetividade que aquela normalmente encontrada no jornalismo.
A Cidade Solitária se mostrou uma leitura das mais gratificantes, sensíveis e empáticas que tive nos últimos tempos. A priori o que me despertou o interesse por ele foi a relação entre a solidão e a arte nas biografias de alguns artistas cujo trabalho eu já conhecia e admirava, sobretudo Hopper e Warhol. Contudo Olivia entrega bem mais do que isso e saí profundamente tocado pela leitura, pelas biografias quase sempre problemáticas dos artistas, pelas interpretações e correlações das obras de arte com a cidade, seus personagens, temas e a sua imensa e aflitiva solidão, além é claro das descobertas que a própria Olivia faz de si durante o período em que lá vivia e escrevia compartilhando conosco muito mais do que sua visão técnica, mas também da sua companhia, sentimentos e solitude.
É possível experienciar em seu texto elegante, sensível e delicado tanto a angústia pela falta de contato e de proximidade quanto o impulso criativo proporcionado justamente por este sentimento. As telas de Hopper, as gravações em áudio de Warhol, o mundo irreal das colagens de Darger e as fotografias de Wojnarowicz, bem como o próprio livro de Laing, são todos expressões da solidão de seus autores, todos tentativas de estabelecer contato, proximidade e sentido frente ao isolamento com o mundo. Para quem se interessa minimamente por arte contemporânea ou pelo tema principal do livro, seja você um solitário em meio a milhões ou não, este livro é para você!

Multiverso X.:27 - Apesar da falta de energia, estamos funcionando








Reproduzir Em Uma Nova Aba - Faça o DownloadArquivo Zip
 
Após um período vagando por universos afins, o Capitão Ace Barros, reencontra a imediata Hall-e, o navegador Airechu, o piloto da Interlúdio Julio Barcellos, em uma estação espacial abandonada e um tanto suspeita. E quando a energia se vai nesse lugar sinistro, há apenas coisa a se fazer: gravar um podcast aleatório sobre o sobrenatural, o suspense, o terror e o horror!
Ouça e conheça mais sobre essa não tão destemida tripulação e sua relação com o oculto; aproveite indicações de mídias variadas sobrenatural, o terror e o horror. Tudo isso e muito mais ao apertar de um botão.
Acompanhe-nos, estimado Explorador de Universos! 

DURAÇÃO: 1 Horas 20 Minutos 26 Segundos

CITADOS NESTE EPISÓDIO:

Alien - O Oitavo Passageiro: Trailer
Alien - Isolation: Cinematic Trailer - Official Gameplay - Compare & Compre
Resident Evil: Trailer - Série de Livros (Compare & Compre) - Loja Recomendada
Painkiller: Trailer
Alan Wake: Trailer - Compare & Compre
Alan Wake - American Nightmare: Trailer
O Exorcista - O Filme:  Trailer - Compare & CompreLoja Recomendada
O Exorcista - O Livro: Skoob Compare & CompreLoja Recomendada

Horror em Amityville - Filme: Trailer
Amityville: Skoob Compare & CompreLoja Recomendada
A Estrada da Noite: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
Branca dos Mortos e Os Sete Zumbis: Skoob - Compare & CompreLoja Recomendada
O Adulto/Qual a sua profissão?: Skoob - Compare & CompreLoja Recomendada
Garota Exemplar: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
O Rei Amarelo em Quadrinhos: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
O Despertar de Ctullhu em Quadrinhos: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
Demônios da Goetia em Quadrinhos: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
O Rei de Amarelo: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
O Senhor do Vento: Skoob Loja Recomendada
Black Mirror: IMDB - Na Netflix
Supernatural: IMDB - Na Netflix
Constantine/Hellblazer: Hotsite da Panini - Loja Recomendada - Série de TV - Filme
Stranger  Things: IMDB - Na Netflix
It - A Coisa: IMDB - Trailer - Livro: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
Bala de Prata: IMDB - Trailer - Livro: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
Serial Paper: Leia o Conto
A Casa de Cera: IMDB - Trailer
A Chave Mestra: IMDB - Trailer
Sementes no Gelo: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
Espíritos de Gelo: Skoob - Compare & Compre - Loja Recomendada
O Silêncio dos Inocentes: IMDB - Trailer - Compare & Compre - Loja Recomendada
Psicopata Americano: IMDB - Trailer
True Detective 1ª Temporada: IMDB - Trailer
Eldritch Horror: Ludopédia - Compare & Compre - Loja Recomendada
Elder Sign: Ludopédia - Compare & Compre - Loja Recomendada
Mansion of Madness: Ludopédia

A TRIPULAÇÃO NAS REDES:

Twitter: @MultiversoX @CapAceBarros - @_Airechu - @JulioBarcellos - @id_diogo
Instagram: @multiversox - @_airechu @juliobarcellos @id_diogo
Facebook: Multiverso X

QUER O FEED PARA ADICIONAR NO SEU AGREGADOR FAVORITO?

Assine o nosso feed: feeds.feedburner.com/multiversox/podcast

SUGESTÕES, CRÍTICAS E DÚVIDAS:

Envie e-mails para: contato@multiversox.com.br

No Sufoco

Victor Mancini concebeu um golpe complexo para pagar as contas na casa de repouso da mãe: vá a um restaurante grã-fino, finja que se engasga comendo e deixe uma pessoa “salvá-lo”; ela vai sentir-se responsável por você, até financeiramente, pelo resto da vida. Multiplique isso umas cem vezes que os cheques vão chegar pelo correio em fluxo constante. Victor também trabalha num parque temático com um bando de figuras medíocres, ronda grupos de viciados em sexo para curtir as viciadas e visita a mãe convalescente, cujo Alzheimer esconde um segredo fantástico sobre sua concepção.

Título: No Sufoco
Título Original: Choke
Autor: Chuck Palahniuk
Tradução: Érico Assis
Editora: LeYa
Ano: 2015 / Páginas: 272


Elvira Vigna, escritora recentemente falecida disse em entrevista que é também papel da literatura nos incomodar e eu tendo a concordar com ela, livros que nos deixam inquietos conosco e com o mundo e que nos despertam reações geralmente são os melhores. Um dos autores que mais me causam essas sensações é o norte-americano Chuck Palahniuk. Chuck é mundialmente conhecido por suas obras de ficção transgressoras e subversivas, aclamado por público e crítica sobretudo por seu romance de estreia, Clube da Luta, de 1996, com o qual ganhou ainda mais popularidade devido a bem sucedida adaptação cinematográfica estrelada por Brad Pitt em 1999. No Sufoco é seu quarto romance, publicado originalmente em 2001 e é tido por alguns como uma versão de Clube da Luta, mas agora sobre sexólatras, ou seja, pessoas viciadas em sexo.
Neste livro acompanhamos Victor Mancini e seu amigo Denny durante alguns meses de suas vidas intercalados com muitos flashbacks da infância de Victor que também é o narrador. Sua mãe foi considerada incapaz de criá-lo e ele passou a maior parte da infância em diversos lares adotivos. Sua mãe sempre o sequestrava de volta deles e de seus pais adotivos, mas logo Victor era recapturado pela polícia e entregue a agência estatal de bem-estar infantil e novamente posto num lar adotivo e assim sucessivamente.
No presente, Victor é um homem de vinte e poucos anos que abandonou a faculdade de medicina a fim de encontrar trabalho para sustentar sua mãe que agora está em um lar de idosos convalescendo pelo Alzheimer em estado avançado. Por não conseguir arcar com os custos médicos crescentes de sua mãe, Victor concebe um engenhoso plano para extorquir dinheiro de pessoas bem intencionadas. Várias vezes por noite, ele vai a restaurantes e propositadamente engasga-se durante sua refeição, atraindo um "bom samaritano" para salvá-lo da asfixia através da manobra de Heimlich, aquela mesma dos primeiros socorros. Victor mantém uma lista detalhada de todos os seus salvadores e frequentemente envia a eles cartas onde diz ter dívidas que é incapaz de pagar e conta sobre como é pobre, doente e miserável. Essas pessoas então sentem tanta pena dele que passam a lhe enviar dinheiro constantemente. O montante é quase todo gasto com a clínica de sua mãe. Durante o dia, Victor trabalha em um museu de reencenação dos tempos coloniais, onde a maioria dos funcionários são viciados ou, no caso do seu amigo Denny, um companheiro se recuperando do vício em sexo. Victor conheceu Denny em um grupo de apoio para sexólatras e mais tarde se candidataram para o mesmo trabalho. Denny posteriormente é demitido do museu, passa a morar com Victor e começa a coletar pedras de forma obsessiva pela cidade.
Enquanto crescia, a mãe de Victor ensinou-lhe inúmeras teorias da conspiração e fatos médicos obscuros que tanto o confundiam quanto o assustavam. Seus movimentos constantes de um lar adotivo para outro somados a personalidade neurótica da mãe, tornaram Victor incapaz de formar relações duradouras e estáveis ​​com as mulheres. Como resultado, hoje ele é um viciado em sexo, mantendo apenas relações superficiais em troca de prazer e ainda usando as reuniões de viciados em sexo para encontrar muitas de suas parceiras sexuais. Com a morte eminente de sua mãe e sem entender direito o próprio passado, Victor apressa-se para fazê-la lhe contar toda a verdade sobre sua origem.
A prosa de Chuck é rápida e não linear e ele insere elementos crípticos, na forma de frases curtas repetidas ao longo de seu texto, quase um código que te faz lembrar exatamente do primeiro contexto em que ele o usou. Genial não é a palavra certa, mas é a primeira que me ocorre. Vide: Clube da Luta. Vide: o que Jesus NÂO faria. Vide: Os órgãos antropomorfizados do Joe. Como é comum em suas obras, há aqui também inserções de diversas informações muito específicas com as quais você jamais teria contato de outra forma, algo que passaria como cultura inútil em qualquer outro contexto, mas não aqui, aqui tudo é relevante para o que ele se propõe a contar e construir, coisas como: como é feita a separação dos pacientes em clínicas médicas? Quais as melhores cabines de banheiros de aviões para transar? Quais os passos comumente trabalhados em grupos de apoio para viciados? Como desengasgar uma pessoa com uma micro cirurgia de emergência?
Os capítulos são curtos e alternam núcleos de personagens, situações e cronologia conforme as coisas acontecem, é preciso juntar as diversas peças do quebra-cabeças espalhado para compor o todo idealizado pelo autor. Não há eufemismos para sexo e nem romantização em sua linguagem que se vale bastante da crueza de gírias e palavras de baixíssimo calão, o que não poderia ser de outra forma. Mas não espere por um livro hot, ou uma jornada excitante repleta de erotismo, a compulsão sexual do protagonista é tratada o tempo todo como uma doença e percebemos o quanto ela afeta o seu cotidiano e as suas relações pessoais, além é claro da sua própria mente nessa busca descontrolada e vazia por prazer.
O livro perde um pouco o ritmo em seu meio, onde a alternância de cenas e falta de um rumo mais claro no enredo tornam a leitura cansativa, porém mais próximo do final, quando há uma inversão daquilo que Victor descobre e uma reviravolta com uma outra personagem, ele engrena novamente para um desfecho perturbador e satisfatório e à semelhança de Clube da Luta, novamente com personagens marginalizados pela sociedade levadas aos extremos de suas paranoias em situações de agressividade autodestrutiva e que já fugiram totalmente de qualquer controle.
No Sufoco me impactou tanto quanto Clube da Luta, não é exagero compará-los visto que ambos carregam o mesmo tom de crítica social e têm uma estrutura narrativa e conceitual bem semelhante. Se em Clube da Luta a forma de escape encontrada para a pressão do sistema sobre o indivíduo alienado dum propósito maior que não seja o consumismo reside nas lutas em clubes secretos onde a violência e a adrenalina podem ser extravasadas indiscriminadamente, em No Sufoco a válvula de escape está no prazer hedonista dos vícios e nas fantasias oriundas dele, o sexo é o principal, mas isso também se manifesta nas simulações de engasgo de Victor e no colecionismo de pedras de Denny.
No Sufoco é o tipo certo de livro errado para quem quer sair completamente da sua zona de conforto em relação à literatura seja ela qual for. Chuck não tem medo de se sujar e ir fundo na perversão e transgressão daquilo que de mais vil somos capazes de conceber em nosso íntimo humano e imperfeito. No Sufoco é um livro de extremos, que atiça a nossa curiosidade para a bizarrice do real enquanto nos choca com seu humor cínico e enoja com sua completa amoralidade. Recomendo para quem tem estômago, pois vai ser fácil se engasgar com essa leitura e ao contrário do protagonista, talvez o único bom samaritano que você vai encontrar seja o próprio Chuck, que prefacia o livro com um alerta tentador: “Se você vai ler este livro, não se incomode. Depois de algumas páginas, você não vai querer estar aqui. Então esqueça. Vá embora, Saia enquanto está inteiro. Salve-se.” Eu prefiro me condenar.

Em Financiamento: Café Express


Num Oeste Selvagem onde aventureiros, foras-da-lei e cidadãos são viciados e movidos a café, uma devastadora praga ameaça acabar de vez com todas as reservas do valioso ouro negro. Agora, os últimos três grãos são transportados em um trem reforçado para o cultivo em um local seguro, mas todos estão de olho no expresso que cruza os trilhos poeirentos de um longo caminho.
Lute para salvar, ou quem sabe saquear, a última esperança dessa civilização movida a café neste estratégico jogo da Potato Cat.

Titulo: Cartas a Vapor
Produtora: Potato Cat
Criação: Kevin Talarico e Samanta Talarico

Direção de Arte: Jéssica Lang
Mecânicas: Ações Programadas, Personagens com Diferentes Habilidades, Administração de cartas.



Café Express é um jogo de tabuleiro para 2 jogadores desenvolvido pela Potato Cat, criado por Kevin Talarico e Samanta Talarico no Game Design, dupla responsável pelo Cartas a Vapor (cardgame baseado no universo de Brasiliana Steampunk criado por Enéias Tavares, e financiado no ano passado).
Em um universo com temática faroeste, os jogadores interpretarão personagens assimétricos na busca de roubar ou proteger os três últimos grãos férteis de café. E você se pergunta: tudo isso por causa de 3 grãos de café? Porque tanta urgência? Ora, amigo: O Café está acabando! No cenário do jogo, uma imparável praga devastou completamente as plantações, e o Estado busca desesperadamente por uma solução para a eminente crise financeira que passará. Por isso, os três últimos grãos férteis de café estão sendo colocados em um trem em rumo à Croptown, a cidade mais longe não afetada pela praga. E, como um grão de café torrado é considerado a moeda oficial do Estado, esses grãos férteis devem ser protegidos a todo custo!
Com partidas com duração de 20 a 30 minutos, Café Express busca ser um jogo rápido e leve, porém estratégico, onde a atenção às jogadas do adversário no duelo são essenciais. Ele conta com um sistema de cartas modulares, que permite combinar as ações dos personagens de formas diferentes a cada partida, e possui também uma variante de jogo para 4 jogadores, permitindo uma nova dosagem de tensão e diversão.
Café Express possui uma versão demonstrativa em formato PnP (imprima e jogue) no Studio Teia de Jogos. Você pode baixar os arquivos e o manual AQUI
O projeto do jogo Café Express entrou em financiamento coletivo pelo Catarse (https://www.catarse.me/cafeexpress), para arrecadar através dos apoios dos gamers e entusiastas, a meta de 23 mil reais. A campanha é do tipo 'tudo ou nada', ou seja, se durante os 45 dias de campanha o valor total for atingido, o jogo irá para a produção e todos os apoiadores receberão suas recompensas. Caso a meta não seja atingida, todos recebem de volta o valor investido.
Na plataforma de financiamento estão disponíveis vários níveis de apoio, com valores entre R$10 e R$ 660 (especial para lojistas), que dão direito a recompensas que vão de agradecimentos pelo apoio a campanha até cópias do jogo Café Express, canecas exclusiva e cópias do Cartas a Vapor. E se você estiver interessado apenas no jogo não irá precisar desembolsar um valor muito alto, podendo ser adquirido por menos de R$100. A campanha ficará disponível por mais 45 dias no Catarse (a contar de hoje, 16/10) e tem entrega de recompensas prevista para Março de 2018.
Não esqueça de conferir a página do projeto para descobrir mais informações sobre o jogo: quais exatamente são as recompensas, detalhes sobre como jogar, quais são os extras, os recursos adicionais, etc. Você pode conferir o vídeo abaixo feito pelo pessoal do Covil dos Jogos e ver com o jogo funciona na prática.
Apoie, divulgue e viaje para esse faroeste alternativo de Café Express!


Autor de Alena vêm ao Brasil



Kim W. Andersson, autor da graphic novel Alena, virá ao Brasil em novembro para participar da 63ª Feira do Livro de Porto Alegre e outros eventos no país. O autor sueco integra a delegação de autores da região homenageada pela Feira, os países nórdicos. Alena é a primeira graphic novel da nação europeia a ser publicada em terras tupiniquins pela Avec Editora, e conta a história de uma jovem que sofre bullying ao se mudar para um novo colégio e decide que é hora da vingança.
O autor se diz entusiasmado por poder conhecer os leitores brasileiros: “Eu nunca visitei o Brasil antes, mas estou muito empolgado. Eu espero conseguir conhecer um monte de quadrinhos brasileiros. Eu não tive a oportunidade de ler [quadrinhos do Brasil] ainda, mas isso está no meu planejamento, isso é certo. Será uma longa jornada”, disse.
Kim também afirma estar honrado por ser um autor de quadrinhos participando de uma feira literária. “Quadrinhos e graphic novels nem sempre são vistos como boa literatura. E quer saber? Eu não me importo. Eu acho que aqueles que perceberem o potencial do meio e que não têm medo de mostrar isso, são de alguma forma abençoados.” Kim W. Andersson está bastante à vontade com a ideia de conhecer os leitores no Brasil e acredita não ser muito diferente dos brasileiros.

Onde encontrar o Autor?

- Kim W. Andersson fala ao público no dia 4 de novembro, sábado, às 16h30, no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo (Rua dos Andradas, 1223 – Centro Histórico – Porto Alegre - RS) e autografa na praça em seguida. (Confirme sua presença! https://www.facebook.com/events/342428819571173/)
- No dia 5, domingo, às 16h, participa de um bate-papo sobre quadrinhos na Tenda de Pasárgada.
- Em 7 de novembro, terça-feira, fará um bate-papo na Cultura do conjunto Nacional junto a Av. Paulista, às 19h em São Paulo (SP). (Confirme sua presença! https://www.facebook.com/events/801392683395898/)


Alena conta a história de uma estudante que vive um inferno cotidiano. Desde que começou a estudar em um colégio cheio de colegas esnobes, ela sofre bullying de Filippa e das outras meninas do time de lacrosse. A melhor amiga de Alena acha que já chega de aguentar todo esse abuso. Seja da conselheira, do diretor, de Filippa ou de qualquer outra pessoa nessa escola repulsiva. Josefin promete resolver o assunto por conta própria a menos que Alena dê o troco. Só existe um problema: Josefin está morta há um ano.